top of page
  • Writer's picturePoliana Souza

O que as Blue Zones podem nos ensinar sobre o envelhecer bem

Você, provavelmente, já deve ter ouvido falar sobre as Blue zones. Há alguns anos, o jornalista Dan Buettner decidiu, junto a sua equipe da National Geographic e o apoio de diversos pesquisadores, investigar os locais do mundo onde as pessoas viviam mais e de forma mais saudável, em busca do que poderia ser o “segredo da longevidade”.

Nessa busca, cinco regiões do mundo se destacaram: Sardenha, na Itália, com a maior concentração de homens centenários; Okinawa, no Japão, onde estão as mulheres mais longevas do mundo; Ikária, na Grécia, com as menores taxas de mortalidade na meia idade e demências; Nicoya, na Costa Rica, com as menores taxas de mortalidade entre homens de meia idade e a segunda maior concentração de homens centenários; e Loma Linda, Califórnia, nos Estados Unidos, onde as pessoas vivem cerca de 10 anos saudáveis a mais que o restante dos americanos.


Dadas as devidas diferenças socioculturais entre essas populações de regiões tão diversas, alguns pontos em comum chamaram a atenção dos pesquisadores, que formularam as Power nine: as 9 lições poderosas do bem envelhecer:


1. Mexer-se naturalmente

As pessoas dessas regiões vivem em ambientes nos quais as atividades do cotidiano exigem delas movimento! Fazem, naturalmente, atividades físicas para execução das tarefas do dia a dia.


2. Ter propósito

Ter uma razão para viver que não seja apenas sobreviver! Qual o seu plano de vida? Por que você acorda todos os dias? Os japoneses chamam isso de Ikigai.


3. Desacelerar

Desenvolver rotinas para aliviar o estresse cotidiano. Todas as pessoas passam por situações estressantes rotineiramente, ainda mais em uma cultura tão ansiosa quanto à atual, mas reservar alguns momentos do dia para o autocuidado e o relaxamento é fundamental. Importante ressaltar que não existe uma fórmula única. Para cada indivíduo pode haver um ritual. Pode ser desde alguns poucos minutos realizando respirações profundas e de forma consciente, a realização de orações, passar algum tempo em contato com a natureza, ter um momento de descontração com amigos ou até a prática de ioga e meditação, por exemplo.


4. Regra dos 80

Trata-se de um mantra confuciano muito praticado em algumas regiões orientais, o Hara hachi bu, que lembra as pessoas de pararem de comer quando sentirem seus estômagos 80 por cento cheios. Isto é, fazer refeições menores, principalmente as noturnas.


5. Alimentar-se a base de leguminosas

Os vegetais são a base da alimentação de todas essas regiões. Alimentos de origem animal são utilizados, porém pouco frequentemente.


6. Tomar vinho

Quando se fala em prevenção de saúde, o que se sabe é que é muito difícil se estabelecer níveis seguros de ingesta de álcool. Mas o que se observa nessas regiões é a ingesta moderada de vinhos de forma regular, geralmente às refeições.


7. Tribo certa

Quem nunca ouviu o ditado “Diga-me com andas e eu te direi quem és.”? As pesquisas mostram as pessoas convivem a maior parte do tempo são muito importantes na determinação dos hábitos do grupo. Escolher uma tribo que comunga de hábitos saudáveis influencia positivamente na longevidade.


8. Comunidade

Para além de se estar na tribo certa para o cultivo de bons hábitos, a sensação de pertencimento a um grupo que compartilha e comunga em ideais comuns também é fundamental. Nas Blues zones, as pessoas mais longevas entrevistadas pertenciam a comunidades de fé, independente da religião.


9. Família em primeiro lugar

Nas Blues zones, as pessoas mais longevas pesquisadas colocavam suas famílias em primeiro lugar, assim como os idosos são valorizados por suas famílias. Esses longevos costumam ser comprometidos com seus parceiros de vida.

De todas essas lições, 5 pilares foram construídos como fundamentais para o cultivo de uma longevidade saudável:

  1. Tenha uma dieta saudável, balanceada e sem excessos, preferencialmente baseada no consumo de vegetais e com baixa ingesta de açúcares e gorduras.

  2. Aprenda a controlar o estresse. Se preciso, experimente técnicas de relaxamento, ioga e meditação e as introduza em sua rotina.

  3. Mantenha-se em movimento, tanto evitando facilitadores para a execução das tarefas do dia a dia, quanto realizando atividade física programada.

  4. Cuide de suas relações de afeto! Crie redes de apoio, seja rede de apoio de alguém, tenha senso de comunidade e cultive em suas relações o amor e a intimidade.

  5. Tenha propósito! Busque por aquilo que traga sentido à sua vida.


Fonte: Buettner, D. Zonas azuis: a solução para comer e viver como os povos mais saudáveis do planeta. Ed. Versos. São Paulo, 2018



Polianna Mara Rodrigues de Souza

Médica Geriátra

Comments


bottom of page